Foi realizada na última quinta-feira (28/05) a primeira mesa virtual de negociação da Campanha Salarial dos trabalhadores e trabalhadoras da Dataprev.

Preliminarmente, a representação dos trabalhadores questionou a empresa sobre o plano de saúde e o resultado do estudo do grupo de trabalho que tinha por objetivo apresentar alternativas para o aumento da participação da Dataprev.

Campanha Salarial – A exemplo do que aconteceu com o Serpro, a Dataprev apresentou proposta inaceitável, de reajuste ZERO, além da retirada de direitos, entre eles o tíquete natalino.

Seguindo à risca as orientações do governo Federal, que procura resolver a crise econômica do País com o achatamento dos salários e benefícios dos trabalhadores, a Dataprev propõe, ainda, que os futuros funcionários da empresa não tenham direito a licença-prêmio, ao abono de 6 dias e,  em substituição ao anuênio, passem a receber quinquênio (5% por cada cinco anos trabalhados) – sendo limitado a 7 quinquênios – ou seja a 35 anos, e não mais o teto de 40 anos como consta no ACT vigente. Ou seja, quer criar duas categorias de empregados, uns com menos direitos que outros.

Ainda, quanto as duas cláusulas novas que constam da pauta dos trabalhadores: a garantia de emprego e a manutenção da empresa pública a empresa também se manifestou contrária.

Diante do absurdo da contraproposta apresentada pela empresa, a representação dos trabalhadores e trabalhadoras mantém a integralidade da sua pauta, pois não pode anuir com a pauta de retrocessos apresentada em mesa pela Dataprev que representa a retirada de direitos históricos, conquistados através de mais de 30 anos de luta dos trabalhadores.

A segunda mesa de negociação está agendada para esta quarta-feira (3/6), às 14h.

Fonte: site da Fenadados