A Central Única os Trabalhadores (CUT) e o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) garantiram sua permanência como membros titulares no Conselho Nacional dos Direitos Humanos (FNDC) para o biênio 2022-2024. A eleição aconteceu nos dias 17/11 e 18/11, quando foram escolhidos os representantes dos Movimentos Sociais e da Sociedade Civil no Conselho.

A CUT Nacional garantiu a reeleição de Virgínia Berriel e o Secretário de Finança do FNDC, diretor da CUT Nacional e do SINDPD-PE, Admirson Medeiros (Greg), será o representante do FNDC no Conselho. Foram 109 concorrentes e as duas entidades ocuparão como titulares uma das 18 cadeiras disponíveis (nove titulares e nove suplentes).

Virgínia Burriel, apesar de comemorar a reeleição, lamenta como o atual governo de Jair Bolsonaro (PL), esvaziou o Conselho Nacional dos Direitos Humanos que ficou ao longo desses anos sob o comando do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), que até recentemente estava sob a chefia de Damares Alves, hoje senadora eleita pelo DF.“O governo Bolsonaro praticamente zerou o orçamento impedindo nossa atuação. Esses dois últimos anos foram de resistência, briga e uma luta gigantesca, sem recursos. Ainda assim houve conquistas, graças à nossa luta”, conta Virginia.

Greg apontou como prioridade dessa gestão a defesa dos Direitos Humanos. "Em um país onde é crescente a violência, a intolerância, a discriminação de raça, gênero, religião e condição social, além da ofensiva a liberdade de expressão, não podemos perder o foco e vamos precisar de todo mundo".

As entidades mais votadas

As quatro entidades que mais receberam votos no CNDH foram: a Coordenação Nacional de Articulação de Quilombos (CONAQ), seguida pela Associação Brasileira de Saúde Mental (Abrasme). Em terceiro foi a Plataforma de Direitos Humanos Dhesca Brasil. A sigla DHESCAs significa Direitos Humanos Econômicos, Sociais, Culturais e Ambientais. E em quarto lugar ficou a CUT. Com articulação de entidades como o Movimento dos Sem Terra (MST), Via Campesina, Mab Unisol, a CUT também ocupará um assento no  Fórum Nacional de Democratização da Comunicação (FNDC).

Confira as entidades eleitas

Titulares

Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas – CONAQ
Associação Brasileira de Saúde Mental
Plataforma de Direitos Humanos – Dhesca Brasil
Central Única dos Trabalhadores do Brasil – CUT Brasil
Instituto Nacional Para o Desenvolvimento Social e Cultural do Campo
Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários do Brasil
Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação – FNDC
Movimento Nacional População de Rua
Articulação dos Povos Indígenas do Brasil

Suplentes

Comissão Pastoral da Terra
Movimento Nacional de Direitos Humanos
Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos
Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil
Terra de Direitos
União Brasileira de Mulheres
Conselho Federal de Psicologia
Confederação Nacional das Associações de Moradores
Associação Nacional de Centro de Defesa da Criança e do Adolescente

Com informações da CUT Nacional e FNDC