Representantes da Fenadados e sindicatos filiados participaram nessa terça-feira (16/6) de reunião com mediação do Tribunal Superior do Trabalho (TST).
Participaram da reunião pela representação dos trabalhadores a FENADADOS, SINDPPD/RS, SINDPD/SC e o Assessor jurídico, Marthius Sávio Lobato. Pela empresa estiveram presentes os diretores Wilson Coury e Gileno Barreto e a Comissão de Negociação da Empresa.  

A mediação foi conduzida pelo assessor da vice-presidência do TST, Dr. Giovanni Olsson, que abriu a reunião explanando sobre o momento crítico do país por conta da crise sanitária e os impactos econômicos que advêm deste processo, ressaltando a necessidade de sermos ágeis na busca de convergências, haja vista que as reuniões virtuais são mais desgastantes para os participantes e por isso, diferentemente das reuniões presenciais, não devem se alongar por horas e em seguida convidou as partes a apresentarem suas demandas.

A representação dos trabalhadores afirmou sua disposição em buscar celeridade e apresentou a reivindicação dos trabalhadores de forma resumida: Manutenção do atual Acordo Coletivo, Reposição do INPC do ano de 2019 (2,05%) e as duas cláusula novas que não têm nenhum impacto financeiro em que reivindicamos a garantia de emprego e Manutenção da empresa pública frente ao risco da privatização, bem como, a vigência de dois anos para o Acordo Coletivo. Relatamos também as condições econômicas favoráveis da empresa nos últimos dois anos: R$459 milhões em 2018 e R$486 milhões em 2019 de lucro líquido, além da diminuição de gastos com pessoal, o que, na nossa visão, permite a manutenção dos nossos direitos e a reposição salarial. Solicitamos também a prorrogação do ACT por mais um período para não corrermos o risco de chegarmos ao final de junho sem as garantias do atual ACT.

A representação da empresa entrou em contradição, pois seus dois diretores, diferentemente do que os negociadores registraram nas atas de negociação, disseram que a empresa não pretende retirar direitos, mas reafirmaram a posição de reajuste zero. Contudo, logo em seguida, os negociadores da empresa voltaram a comentar sobre a retirada de algumas cláusulas do atual Acordo Coletivo, o que já tinha sido apresentado anteriormente por eles nas mesas.

Na parte final da reunião, o mediador conversou separadamente com a empresa e, em seguida, com a representação dos trabalhadores para entender mais diretamente as solicitações de ambas as partes no intuito de construir caminhos para a solução do impasse, apresentando, ao final, sua visão.

O mediador, Dr. Giovanni Olsson, seguirá fazendo gestões com as partes até que tenhamos um novo encontro, o que deve ocorrer ainda nesta semana ou no início da próxima. Da parte dos trabalhadores, frisamos que nossas reivindicações levaram em conta a situação de pandemia e que não estamos reivindicando cláusulas novas que criem impasse, mas centralmente queremos manter o que já temos com a reposição salarial do último período e estamos sempre lutando pela manutenção da empresa pública.

A representação dos trabalhadores está aguardando a confirmação da próxima reunião de mediação e, caso não haja avanços, ratificará a necessidade urgente de prorrogação do atual Acordo Coletivo de Trabalho, de modo a garantir segurança jurídica, social e econômica para os trabalhadores até a pactuação do novo ACT.

Fenadados, sindicatos filiados, Sindppd-RS e Sindpd-SC

Confira aqui a Ata da reunião no TST