A luta contra o racismo e a discriminação terão um reforço neste sábado (20/11), quando os movimentos sociais estarão mais uma vez nas ruas. A mobilização será pelo #forabolsonaro, contra o racismo estrutural no Brasil e também pelas pautas urgentes da classe trabalhadora, como geração de emprego decente, pelo fim da fome e da miséria e contra a política econômica do governo de Jair Bolsonaro.
A escolha do 20 de novembro para a realização de mais um Ato de rua tem o objetivo de denunciar o impacto da política desatrosa do atual governo sobre a população negra. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad Contínua), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2020 foram fechados 11 milhões de postos de trabalho e deste total, oito milhões eram mulheres e homens negros, que mesmo sendo maioria na população brasileira (55%), são os mais afetados. No segundo trimestre deste ano, a taxa de desemprego entre a população negra foi de 16,23%, enquanto a taxa para os brancos foi de 11,65%. Os 

O último levantamento feito pelo Dieese levando em consideração o recorte racial e com base nos dados da Pnad-Contínua, que se referem ao primeiro semestre do ano passado mostram números igualmente vergonhosos, em especial para as mulheres negras. A taxa de subutilização para mulheres negras era de 40,5%. Já a das não negras era de 26,4%. Para os homens negros, 29,4% e para os homens não negros 19,1%. Subutilização é quando a força de trabalho está disponível e poderia continuar trabalhando e isso não acontece. E os números mostram que a população negra, portanto, tem menos oportunidades de trabalhar mais.

Sobre os rendimentos dos trabalhadores, o mesmo levantamento mostra que a média salarial das mulheres negras era de R$ 1.573 enquanto das não negras era de R$ 2.660. Ou seja, a mulher negra que está trabalhando ganha 59,1% do que ganham as não negras. Neste caso, para os homens, o salário é ainda menor. Homens não negros tiveram salário médio de R$ 3.484, enquanto os negros tiveram média salarial de R$ 1.950. Mostra que além de racista, nossa sociedade ainda é machista. Negros e negras também ocupam postos de trabalho mais precários. A pesquisa mostrou que no ano de 2020, 44% das mulheres negras e 45% dos homens negros estavam em trabalhos desprotegidos, sem direitos.

Ato em Pernambuco

Em Pernambuco, a CUT-PE, movimentos sociais, sindicais e populares estarão se concentrando neste sábado (20/11), na Praça do Carmo (Dantas Barreto), a partir das 14h, de onde sairão em caminhada até o Marco Zero, no bairro do Recife. 
Os trabalhadores e trabalhadoras de TI são uma das categorias afetadas pelos desmandos desse governo e sua política de destruição, que inclui a privatização do SERPRO e DATAPREV. Essa luta também é nossa! Todos/as ao Ato! 

Com informações da CUT/PE e CUT Brasil