A direção do SINDPD-PE se solidariza com os companheiros petroleiros, em greve desde o dia 1º de fevereiro deste ano. Com um movimento forte e coeso, a categoria protesta contra a demissão de mais de mil trabalhadores, com o fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR), subsidiária da Petrobras, e o descumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT).
Assim como os trabalhadores da DATAPREV e do SERPRO, os trabalhadores da Petrobras sofrem neste momento as consequências da política irresponsável e entreguista do governo Bolsonaro, que pretende vender o patrimônio nacional ao capital internacional. Para atingir seus objetivos, este "desgoverno" ataca a organização sindical e tenta desqualificar os trabalhadores, a fim de levar adiante seus objetivos.
Neste momento, os trabalhadores da Petrobras estão em vigília em frente do prédio da empresa, no Rio de Janeiro e a Comissão de Negociação Permanente ocupa uma sala do prédio. Apesar das tentativas de esvaziar o prédio, três decisões da justiça vêm permitindo a permanência da comissão no local. O objetivo da categoria é retomar as negociações com a empresa.
Portanto, diante a destruição que vem sendo imposta por este "desgoverno" à Petrobrás e o constrangimento a que seus empregados vêm sendo submetidos, nós, que fazemos a direção do SINDPD-PE reiteramos nosso apoio e nos somamos a essa luta em defesa do patrimônio público brasileiro, dos empregos e dos nossos direitos.